A interação medicamentosa em clientes internados e sua relação com o aprazamento

Fabiana Cristina Silva da Rocha, Rafael Teixeira, Elizabeth Rose Martins, Márcio Tadeu Ribeiro Francisco

Resumo


Os objetivos deste estudo foram descrever como vêm sendo aprazadas as prescrições na unidade hospitalar e discutir o conhecimento do enfermeiro da unidade quanto à interação medicamentosa em relação ao aprazamento realizado. Uma vez que o conhecimento e o entendimento das interações medicamentosas não se faz presente, inevitavelmente coloca-se o paciente em risco. Sabe-se que o enfermeiro tem o dever de garantir a qualidade da assistência para o paciente e sua família. Esta é uma pesquisa qualitativa e descritiva, realizada com enfermeiros de um Hospital Universitário localizado no munícipio do Rio de Janeiro. As informações foram coletadas por meio de entrevistas semiestruturadasque foram fielmente transcritas, utilizando-se um gravador como instrumento de auxílio no registro dos dados. A pesquisa desdobrou-se em quatro categorias: o conhecimento teórico-científico e as interações medicamentosas; o enfermeiro e o aprazamento de prescrições; a relação aprazamento das prescrições e as interações medicamentosas; as interações medicamentosas e a segurança do paciente. O presente estudo permitiu concluir que os enfermeiros têm conhecimento das interações medicamentosas, que os aprazamentos são predominantemente realizados em horário par e que o conhecimento teórico-científico dos enfermeiros é de extrema importância para a qualidade de vida do paciente.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.