TRATAMENTO CLÍNICO DA HIPERSENSIBILIDADE DENTINÁRIA

Laís Luisa Simas, Beatriz Tholt de Vasconcelos

Resumo


   A hipersensibilidade dentinária cervical aflige uma grande parte da população. A mesma é denominada como: a sensibilidade da dentina exposta no meio bucal em resposta a uma grande variedade de estímulos, tais como: térmicos, químicos e mecânicos. A exposição radicular devido à retração gengival, hábitos parafuncionais, escovação agressiva, mau posicionamento de dentes, doenças crônicas periodontais faz com que o dente fique desprotegido, expondo os túbulos dentinários que são estimulados até que cheguem às terminações nervosas do dente, causando a sensação que caracteriza-se por dor.  

 A dor relatada pelo paciente é uma dor aguda inconstante de intensidade variável. Embora a dor seja aguda, o problema da hipersensibilidade dentinária cervical se caracteriza por estar vinculado a uma dor crônica. Isso porque é um problema que acompanha o indivíduo por muito tempo e está presente em seu dia a dia, principalmente pela ansiedade gerada no paciente, que fica constantemente tentando verificar se a dor diminuiu, aumentando a quantidade de estímulos dolorosos, pela extrema e constante preocupação com a situação.

O paciente relata desconforto suficiente para procurar um profissional adequado para solucionar o problema. O interesse dos pacientes por tratamentos incentivou os dentistas e pesquisadores a buscar novos recursos para resultados mais rápidos e eficientes.

Várias teorias foram apresentadas para caracterizar hipersensibilidade dentinária, mas a teoria hidrodinâmica proposta por Brännström e Aström é a mais aceita até o momento. De acordo com seus princípios, o movimento de fluidos dentro dos túbulos dentinários leva à ativação sensorial das células nervosas na polpa, causando dor.

Os avanços tecnológicos no desenvolvimento e estudo de novos materiais têm se refletido no lançamento comercial de produtos revolucionários, que oferecem uma alternativa importante para o tratamento da hipersensibilidade dentinária. Produtos à base de arginina e carbonato de cálcio e a possibilidade do uso de tecnologia a Laser são exemplos de novas opções promissoras de tratamento e, por isso, este estudo tem como objetivo analisar a efetividade clínica do emprego do laser de baixa intensidade de forma pontual com o equipamento modelo: Twin laser (MMOptics- São Carlos- SP-Brasil), no colo dentinário; dosimetria – 3 J/cm², com a potência de 70 mW , comprimento de onda de 780 nm e a pasta dessensibilizante para uso em consultório (Sensitive Pró-Alívio - Colgate), na redução da hipersensibilidade dentinária.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.